Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Enquete
A Vida Após a Morte é algo REAL?
sim, pq há muitas provas.
não, pq religiões negam.
Ver Resultados

Rating: 2.9/5 (15823 votos)

ONLINE
2





Partilhe este Site...


Alcoolismo-visão espiritual
Alcoolismo-visão espiritual

 

Veja nestes vídeos, como os obsessores (que na verdade são espiritos de pessoas viciadas já desencarnadas) influenciam os vivos a continuarem no vício, para exalarem fluidos de prazer no consumo, que os fazem reviver os prazeres que tinham antes. Para cada pessoa viva com algum vício, há um ou mais desencarnados influenciando para que este vivo use a substância que o desencarnado usava quando vivo. No mundo espiritual não vendem cigarros, álcool e drogas. Então como  um viciado após a morte satisfaz seus vícios: Influenciando um vivo a continuar usando o que ele precisa e em seguida sugando os fluidos que entram no seu corpo, simulando como se ele mesmo estivesse usando. 

Por isso, quem tem qualquer tipo de vício com cigarros, álcool ou drogas, precisa de ajuda médica e espiritual.

Deve recorrer a auxilio externo espiritual onde se sentir melhor: numa casa espírita, numa igreja católica, numa igreja evangélica, numa casa de umbanda, onde seu coração indicar ser mais fácil ele se adaptar. Jesus opera em vários caminhos. A capacidade de entendimento espiritual é muito variada, por isso há várias religiões. Siga onde seu coração indicar, mas procure ajuda externa, conecte-se a Deus, a Jesus, ore por eles pedindo ajuda.

 

PARTE 1 - SOZINHO?

 

 

PARTE 2 - AMBIENTE DE BAR

 

PARTE 3 - A AÇÃO DA PRECE

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

bebidas1

 


bebidas2                 

Pare de Beber.  A obsessão mundial pelo álcool, no plano humano, corresponde a um quadro apavorante de vampirismo no plano espiritual.

Alcoólicos Anônimos. A medicina atual ainda reluta - e infelizmente nos seus setores mais ligados ao assunto, que são os da psicoterapia – em aceitar a tese espírita da obsessão.

 

Narcóticos Anônimos   

Mas as pesquisas parapsicológicas já revelaram, nos maiores centros culturais do mundo, a realidade da obsessão.

De Rhine, Wickland, Pratt, nos Estados Unidos, a Soal, Carington, Price, na Inglaterra, até a outros  para-psicólogos materialistas, a descoberta do vampirismo se processou em cadeia.

Todos os parapsicólogos verdadeiros, de renome científico e não marcados pela obsessão do sectarismo religioso, proclamam hoje a realidade das influências mentais entre as criaturas humanas, e entre estas e as “mentes desencarnadas”.

Jean Ehrenwald, psicanalista, chegou a publicar importante livro intitulado: Novas Dimensões da Análise Profunda, corroborando as experiências de Karl Wick-land em Trinta Anos Entre os Mortos.

Koogan, na Europa de hoje, acompanhado por vários pesquisadores, efetuou experiências de controle remoto da conduta humana pela telepatia, obtendo resultados satisfatórios.

Tudo isso nada vale para os que se obstinam na negação pura e simples, como faziam os cientistas e os médicos do tempo de Pasteur em relação ao mundo bacteriano.

As quadras de Cornélio Pires sobre a obsessão alcoólica não são apenas uma brincadeira poética.

Elas nos mostram - num panorama visto do lado oculto da vida - a própria mecânica desse processo obsessivo.

Espíritos inimigos, (que ofendemos gravemente em existências anteriores), excitam-nos o desejo inocente de “tomar um trago”.

Aceitamos a “idéia maluca” e espíritos vampirescos são atraídos pelas emanações alcoólicas do nosso corpo.

Daí por diante, como aconteceu a Juca de João Dório, “enveredamos na garrafa” e vamos parar no sanatório.

Os espíritos vampirescos são viciados que morreram no vício e continuam no mundo espiritual inferior, aqui mesmo na Terra, buscando ansiosamente os seus “tragos”.

Satisfazem-se com as emanações alcoólicas de suas vítimas e continuam a sugá-las como vampiros psíquicos.

Nas instituições espíritas bem dirigidas esse processo é bastante conhecido, e são muitos os infelizes que se salvam após um tratamento sério.

Nos hospitais espíritas as curas são numerosas.

Veja-se a obra do Dr. Inácio Ferreira: Novos Rumos à Medicina, relatando as curas realizadas no Hospital Espírita de Uberaba.

Não é só a obsessão alcoólica que está em jogo nos processos obsessivos.

Os desvios sexuais oferecem um contingente talvez maior e mais trágico do que o do álcool, porque mais difícil de ser tratado.

Tem razão o poeta caipira ao advertir que “álcool, para ajudar, é cousa de medicina”.

Só nas aplicações médicas o álcool pode ser usado como remédio.

Mas temos de acrescentar, infelizmente, que os médicos de olhos fechados para a realidade espiritual não estão em condições de atender aos casos de alcoolismo.

Os grupos espíritas e as associações alcoólicas obtêm resultados mais positivos, quando em tratamentos bem dirigidos.

* Sobre o autor: Pseudônimo utilizado por José Herculano Pires.

 

http://www.caminhosluz.com.br/detalhe.asp?codigo1=3271

 

ALCOOLISMO E OBSESSÃO

CONSEQÜÊNCIAS, IMPLICAÇÕES ESPIRITUAIS E TRATAMENTO

ASTOLFO OLEGÁRIO DE OLIVEIRA FILHO – Londrina, PR

 

O alcoolismo e a Medicina

- Esteve em agosto de 1999 no Rio de Janeiro, para participar do 13o Congresso Brasileiro de Alcoolismo, o psiquiatra americano George Vaillant, autor do livro A História Natural do Alcoolismo Revisitada, fruto da maior pesquisa feita até hoje sobre o alcoolismo, em que pesquisadores da Universidade de Harvard acompanharam a vida de 600 homens.

Em sua obra e na entrevista que concedeu à revista VEJA de 18/8/99, Dr. Vaillant afirma que, ao contrário do que muitos pensam, não existe o gene do alcoolismo, mas sim um conjunto de genes que tornam o indivíduo vulnerável à dependência do álcool.

O alcoolismo é, na verdade, uma doença provocada por múltiplos fatores e condições sociais e que, segundo a Organização Mundial de Saúde, é incurável, progressiva e quase sempre fatal.

Eis, de forma sintética, as principais informações e esclarecimentos dados por George Vaillant na referida entrevista:

 

1. O alcoolismo é um problema de dimensões trágicas ainda subdimensionadas e seu maior dano é a destruição de famílias inteiras.

2. Metade de todas as crianças atendidas nos serviços psiquiátricos vem de famílias de alcoólatras e boa parte dos abusos cometidos contra crianças tem raiz no alcoolismo.

3. Sem qualquer sombra de dúvida, o alcoolismo é uma doença.

É o resultado de um cérebro que perdeu a capacidade de decidir quando começar a beber e quando parar.

4. Não é possível detectar numa criança ou num pré-adolescente traço algum que permita antever que eles se tornarão alcoólatras.

“Alcoolismo cria distúrbios da personalidade, mas distúrbios da personalidade não levam necessariamente ao alcoolismo.”

5. A principal diferença entre alcoolismo e outras dependências diz respeito ao tipo de droga.

Opiáceos são tranquilizantes, mas o álcool é um mau tranquilizante, tende a fazer as pessoas infelizes ficarem mais infelizes e piora a depressão.

A pequena euforia que o álcool proporciona é sintoma do início da depressão do sistema nervoso central.

6. Do ponto de vista da sociedade, o álcool é um problema muito grave.

O alcoólatra provoca não somente acidentes de trânsito, mas problemas graves à sua volta, a começar por sua família.

7. As únicas pessoas que estão sob o risco de alcoolismo são as que bebem regularmente, mas, se nunca passar de dois drinques por dia, o indivíduo pode usufruir socialmente da bebida em festas, casamentos, carnaval, e não se tornar alcoólatra.

8. Há pouco a fazer para ajudar um alcoólatra, mas uma coisa é essencial: não se deve tentar proteger alguém de seu alcoolismo.

Se uma mulher encontra seu marido caído no chão, desmaiado sobre seu próprio vômito, não deve dar banho e levá-lo para a cama.

O único caminho para sair do alcoolismo é descobrir que o álcool é seu inimigo.

Proteger uma pessoa nessa situação não ajuda.

9. Não é papel da família tentar convencer o alcoólatra de que o álcool é um mal para ele.

Na verdade, em tal situação, a família precisa de ajuda, como a oferecida pelo Al-Anon, a divisão dos Alcoólicos Anônimos voltada ao apoio a famílias de alcoólatras.

10. A abstinência é fundamental no tratamento do alcoolismo.

Um alcoólatra até pode beber socialmente, da mesma forma que um carro pode andar sem estepe, ou seja, é uma situação precária e um acidente é questão de tempo.

11. Num horizonte de seis meses, muitos alcoólatras conseguem manter seu consumo de álcool dentro de padrões socialmente aceitos, mas, se observarmos um intervalo maior de tempo, vamos verificar que a tendência é ir aumentando gradualmente o consumo, até voltar ao padrão antigo.

Em períodos mais longos, normalmente, só quem para de beber não sucumbe ao vício.

12. Em 1995, uma substância, a naltrexona, foi saudada como a pílula antialcoolismo.

Vendida no Brasil com o nome de Revia, não se conhece ainda seu efeito a longo prazo.

Mas, em linhas gerais, drogas podem funcionar como apoio por, no máximo, um ano, visto que é muito difícil tirar algo de alguém sem oferecer alternativas de comportamento.

Usar essas drogas equivale a tirar o brinquedo de uma criança e não dar nada no lugar.

13. A terapia oferecida pelos Alcoólicos Anônimos é parecida com as terapias behavioristas, que pretendem obter uma determinada mudança de comportamento.

Mas, além de ser um tratamento barato e que dura para sempre, a terapia dos A.A. tem um componente espiritual importante.

Terapias ajudam a não beber, mas os Alcoólicos Anônimos dão ao indivíduo um círculo de amigos sóbrios, dão-lhe significados, amigos, espiritualidade.

“É o melhor tratamento que temos.”

14. Embora as estatísticas nesse campo não sejam precisas, sabe-se que cerca de 40% das abstinências estáveis são intermediadas pelos Alcoólicos Anônimos.

 

Consequências do alcoolismo

– Os efeitos do alcoolismo atingem não apenas a saúde do alcoólatra, mas igualmente a comunidade em que ele vive e, especialmente, sua família.

A) Seus efeitos na saúde:

Físicos – afecções como a cirrose hepática e cânceres diversos.

Mentais – perda da concentração e da memória.

Neurológicos – prejuízos na coordenação motora e o caminhar cambaleante.

Psicológicos – apatia, tédio, depressão.

B) Seus efeitos sociais:

Crimes – o número de homicídios detonados pelo álcool é surpreendente: em 1996, 41% em São Paulo e 54% nos Estados Unidos.

Acidentes de trânsito – em 1995, 30% de todos os acidentes com vítimas ocorridos no Brasil foram motivados pelo álcool. Dados mais recentes divulgados por Veja em 13/10/99 informam que 30.000 pessoas morrem em acidentes de trânsito por ano no Brasil: metade é vítima de motoristas bêbados ou drogados.

Má produtividade no trabalho – além dos danos produzidos à empresa que paga o salário ao alcoólatra, o fato geralmente redunda na demissão e muitos não conseguem um novo emprego devido a isso.

Perda do senso do dever e dos bons costumes – falta ao trabalho, desemprego.

C) Seus efeitos na família:

Comprometimento dos filhos – 80% dos filhos aprendem a beber em casa, diz a psicóloga Denise de Micheli.

Desestruturação do lar – o desemprego gera as dificuldades financeiras e as discussões inevitáveis.

As separações conjugais – a mulher não agüenta as conhecidas fases da euforia: momice (macaco), a valentia (leão) e a indolência (porco).

A violência doméstica – 2/3 dos casos de violência infantil ocorrem quando o agressor está alcoolizado.

 

O alcoolismo na visão espírita

- A exemplo de André Luiz (Espírito), que nos mostra em seu livro Sexo e Destino, capítulo VI, págs. 51 a 55, como os Espíritos conseguem levar um indivíduo a beber e, ao mesmo tempo, usufruir das emanações alcoólicas, José Herculano Pires também associa alcoolismo e obsessão.

No capítulo de abertura do livro Diálogo dos Vivos, obra publicada dez anos após o referido livro de André Luiz, Herculano assevera, depois de transcrever a visão do Espírito de Cornélio Pires sobre o uso do álcool:

“A obsessão mundial pelo álcool, no plano humano, corresponde a um quadro apavorante de vampirismo no plano espiritual.

A medicina atual ainda reluta – e infelizmente nos seus setores mais ligados ao assunto, que são os da psicoterapia – em aceitar a tese espírita da obsessão.

Mas as pesquisas parapsicológicas já revelaram, nos maiores centros culturais do mundo, a realidade da obsessão.

De Rhine, Wickland, Pratt, nos Estados Unidos, a Soal, Carrington, Price, na Inglaterra, até a outros parapsicólogos materialistas, a descoberta do vampirismo se processou em cadeia.

Todos os parapsicólogos verdadeiros, de renome científico e não marcados pela obsessão do sectarismo religioso, proclamam hoje a realidade das influências mentais entre as criaturas humanas, e entre estas e as mentes desencarnadas”.

A dependência do álcool prossegue além-túmulo e, como o Espírito não pode obtê-lo no local em que agora reside, no chamado plano extrafísico, ele só consegue satisfazer a sua compulsão pela bebida associando-se a um encarnado que beba.

 

Um caso de enxertia fluídica

- Eis como André Luiz relata, em sua obra citada, o caso Cláudio Nogueira:

Estando Cláudio sentado na sala de seu apartamento, aconteceu de repente o imprevisto.

Os desencarnados vistos à entrada do apartamento penetraram a sala e, agindo sem-cerimônia, abordaram o chefe da casa.

"Beber, meu caro, quero beber!", gritou um deles, tateando-lhe um dos ombros.

Cláudio mantinha-se atento à leitura de um jornal e nada ouviu.

Contudo, se não possuía tímpanos físicos para registrar a petição, trazia na cabeça a caixa acústica da mente sintonizada com o apelante.

O Espírito repetiu, pois, a solicitação, algumas vezes, na atitude do hipnotizador que insufla o próprio desejo, reafirmando uma ordem.

O resultado não demorou.

Viu-se o paciente desviar-se do jornal e deixar-se envolver pelo desejo de beber um trago de uísque, convicto de que buscava a bebida exclusivamente por si.

Abrigando a sugestão, o pensamento de Cláudio transmudou-se, rápido.

"Beber, beber!..."

e a sede de aguardente se lhe articulou na idéia, ganhando forma.

A mucosa pituitária se lhe aguçou, como que mais fortemente impregnada do cheiro acre que vagueava no ar.

O Espírito malicioso coçou-lhe brandamente os gorgomilos, e indefinível secura constringiu-lhe a laringe.

O Espírito sagaz percebeu-lhe, então, a adesão tácita e colou-se a ele.

De começo, a carícia leve; depois da carícia, o abraço envolvente; e depois do abraço, a associação recíproca.

Integraram-se ambos em exótico sucesso de enxertia fluídica.

Produziu-se ali – refere André Luiz - algo semelhante ao encaixe perfeito.

Cláudio-homem absorvia o desencarnado, à guisa de sapato que se ajusta ao pé.

Fundiram-se os dois, como se morassem num só corpo.

Altura idêntica. Volume igual. Movimentos sincrônicos. Identificação positiva.

Levantaram-se a um tempo e giraram integralmente incorporados um ao outro, na área estreita, arrebatando o frasco de uísque.

Não se podia dizer a quem atribuir o impulso inicial de semelhante gesto, se a Cláudio que admitia a instigação, ou se ao obsessor que a propunha.

A talagada rolou através da garganta, que se exprimia por dualidade singular: ambos os dipsômanos estalaram a língua de prazer, em ação simultânea.

Desmanchou-se então a parelha e Cláudio se dispunha a sentar, quando o outro Espírito investiu sobre ele e protestou: "eu também, eu também quero!", reavivando-se no encarnado a sugestão que esmorecia.

Absolutamente passivo diante da sugestão, Cláudio reconstituiu, mecanicamente, a impressão de insaciedade.

Bastou isso e o vampiro, sorridente, apossou-se dele, repetindo-se o fenômeno visto anteriormente.

André aproximou-se então de Cláudio, para avaliar até que ponto ele sofria mentalmente aquele processo de fusão.

Mas ele continuava livre, no íntimo, e não experimentava qualquer espécie de tortura, a fim de render-se.

Hospedava o outro simplesmente, aceitava-lhe a direção, entregava-se por deliberação própria.

Nenhuma simbiose em que fosse a vítima.

A associação era implícita, a mistura era natural.

Efetuava-se a ocorrência na base da percussão. Apelo e resposta.

Eram cordas afinadas no mesmo tom.

Após novo trago, o dono da casa estirou-se no divã e retomou a leitura, enquanto os Espíritos voltaram ao corredor de acesso, chasqueando, sarcásticos...

 

Tratamento do alcoolismo

- Embora o alcoolismo tenha sido definido pela Organização Mundial de Saúde como uma doença incurável, progressiva e quase sempre fatal, o dependente do álcool pode ser tratado e obter expressiva vitória nessa luta, que jamais será fácil e ligeira.

Sintetizando aqui os passos recomendados pelos especialistas na matéria e as recomendações específicas do Espiritismo a respeito da obsessão, nove são os pontos do tratamento daquele que deseja, no âmbito espírita, livrar-se dessa dependência:

1. Conscientização de que é portador de uma doença e vontade firme de tratar-se.

2. Mudança de hábitos para assim evitar os ambientes e os amigos que com ele bebiam anteriormente.

3. Abstinência de qualquer bebida alcoólica, convicto de que não bebendo o primeiro gole não haverá o segundo nem os demais.

4. Buscar apoio indefinidamente num grupo de natureza idêntica à dos Alcoólicos Anônimos, que proporcionam, segundo o dr. George Vaillant, o melhor tratamento que se conhece.

5. Cultivar a oração e a vigilância contínua, como elementos de apoio à decisão de manter a abstinência.

6. Utilizar os recursos oferecidos pela fluidoterapia, a exemplo dos passes magnéticos, da água fluidificada e das radiações.

7. Leitura de páginas espíritas, mensagens ou livros de conteúdo elevado, que possibilitem a assimilação de idéias superiores e a renovação dos pensamentos.

8. A ação no bem, adotando a laborterapia como recurso precioso à saúde da alma.

9. Realizar pelo menos uma vez na semana, na intimidade do lar, o estudo do Evangelho, prática que é conhecida no Espiritismo pelo nome de culto cristão no lar.

A família que lê o Evangelho e ora em conjunto beneficia a si e a todos os que a rodeiam.

O recado de Cornélio Pires – No capítulo 1 do livro Diálogo dos Vivos, José Herculano Pires transcreve a resposta em versos que Cornélio Pires (Espírito) enviou a um amigo que o interpelou, através de Chico Xavier, sobre o problema do alcoolismo na visão dos Espíritos. Intitulada Informações do Além, a mensagem diz o seguinte:

 

“Recebi o seu bilhete,

Meu amigo João da Graça,

Você deseja do Além

Notícias sobre a cachaça.

 

O assunto não é difícil.

Cachaça, meu caro João,

Recorda simples tomada

Que liga na obsessão.

 

Você sabe. Aí na Terra,

Nas mais diversas estradas,

Todos temos inimigos

Das existências passadas.

 

Muitos deles se aproximam

E usando a idéia sem voz

Propõem cousas malucas

Escarnecendo de nós.

 

Nas tentações manejamos

Nossa fé por luz acesa,

Mas se tomamos cachaça

Lá se vai nossa firmeza.

 

Olhe o caso de Antoninha.

Não queria desertar,

Encafuou-se na pinga,

Hoje é mulher sem lar.

 

Titino, homem honesto,

Servidor de tempo curto,

Passou a viver no copo,

Agora vive de furto.

 

Rapaz de brio e saúde

Era Juca de João Dório,

Enveredou na garrafa,

Passou para o sanatório.

 

Era amigo dos mais sérios

Silorico da Água Rasa,

Começou de pinga em pinga,

Acabou largando a casa.

 

Companheiro certo e bom

Era Neco de Tião,

Afundou-se na garrafa,

Aleijou o próprio irmão.

 

Cachaça será remédio,

É o que tanta gente ensina...

Mas álcool, para ajudar,

É cousa de Medicina.

 

Eis no Além o que se vê.

Seja a pinga como for,

Enfeitada ou caipira,

É laço de obsessor.

 

Nas velhas perturbações,

Das que vejo e que já vi,

Fuja sempre da cachaça,

Que cachaça é isso aí.”


       

      

      

      


topo